Rommanel

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

DALTON DI FRANCO DIZ QUE FOI CONVOCADO POR LIDERANÇAS PARA MANTER SUA PRÉ-CANDIDATURA


Foto: Ney Cunha
O jornalista Dalton Di Franco confirmou que pretende mesmo disputar na convenção do PDT a indicação para ser o candidato do partido a prefeito de Porto Velho.

Ele disse que um grupo de amigos o fez desistir da idéia de se manter afastado da política. “Eles me fizeram ver que enquanto os bons recuam, os maus avançam”, frisou. “Precisamos combater esses descalabros que tem devastado as vidas pública e política de Porto Velho e, por abrangência, o Estado. Os episódios ocorridos recentemente indicam que é preciso mudar. A roubalheira perpetrada pela quadrilha desmantelada pela PF custou a vida de muita gente que precisava de saúde. O dinheiro roubado do SUS e dos marmitex do sistema penitenciário faz falta e já provocou até uma rebelião no Urso Branco, com a morte de um detento”, observou.

Dalton Di Franco que já foi vereador e deputado estadual disse que não quer ser mais um prefeito. “Eu sou filho dessa terra, não posso, nem devo, envergonhar meus familiares, amigos e conterrâneos. Quero aplicar meus conhecimentos e experiências profissionais e políticas em prol da nossa cidade e do seu povo”.

Dono da maior audiência na TV em Rondônia, com o programa Plantão de Polícia, Dalton disse que seu nome apontado como o preferido para ser o prefeito da Capital surgiu na periferia pela maneira como se preocupa e fala em favor do necessitado. “Eu tenho feito isso ao longo de 40 anos.

Falo antes, durante e depois da política. Agora meu nome ganhou as ruas de Porto Velho. Eu mesmo perdi o controle. Inicialmente tentei recusar . Procurado por amigos de velhos tempos, colegas de trabalho na faculdade e ex-alunos, além de lideranças comunitárias e religiosas, fui instado a mudar de idéia. Eles expuseram que além de ter nome, tenho experiências positivas ”, lembrou Dalton.

O jornalista que é administrador de empresas e professor universitário como mais de cinco anos de atuação na docência foi ainda lembrado por seus amigos pelo seu trabalho realizado na Câmara Municipal de Porto Velho como vereador. Durante o tempo em que exerceu o mandato ele trabalhou muito pelas melhorias na Capital ajudando o Prefeito Chiquilito Erse.

Dalton Di Franco, entre outros feitos, foi o responsável pela construção do camelódromo de Porto Velho que o prefeito atual resolveu transformar o nome para Shopping Popular sem dar as infra-estrutura necessária para seu bom funcionamento.

Como um dos relatores da lei orgânica de Porto Velho, o então vereador Dalton Di Franco foi o responsável pelo dispositivo inserido na carta obrigando aos proprietários de loteamentos a entregarem a áreas somente depois de as terem promovido a urbanização, equipando-as com estrutura de água e luz. “Antes era um bagunça. Os lotes eram vendidos no meio da mata, sem qualquer benefício”. Os loteamentos Eldorado e Mangueiras são áreas antigas que até hoje ainda carecem de benefícios. Os donos venderam os lotes e sumiram. Quem comprou ainda sofre para morar nesses locais, recorda Dalton.

A escola Padrão, que tem sido abandonada pela atual administração municipal, também nasceu de indicação de Dalton ao prefeito Chiquilito Erse. A escola tinha até piscina para a prática de esportes, que hoje serve de criadouro de anofelinos.

Dalton Di Franco também é lembrado pelo seu trabalho na Assembleia Legislativa. Ele foi autor de várias iniciativas. Uma delas beneficiando os servidores público, com a criação de um fundo para o pagamento do 13º salário do funcionalismo. Pela lei de Dalton o governo deveria todo mês destinar um percentual para esse fundo. Isso tem sido feito desde então. O funcionalismo tem recebido seu 13º salário em dia.

Dalton trabalhou pela melhoria da Educação. Na Capital, ele queria que a Escola Rio Branco fosse um centro de referencia. Fez varias indicações para o governador da época. A maior importante da época foi a construção e funcionamento da Escola João Bento da Costa. “ Eu fiz a indicação e o Pianna aceitou. Hoje a escola é uma referência em qualidade”.

Dalton foi o autor de outros projetos como a da criação da capelânia militar, hoje ocupada pelo capitão Marrieli; a patrulha escolar, para garantir a segurança dos estudantes nas imediações das escolas; o controle de empresas denominadas ferro-velhos, onde são negociadas peças usadas impedindo que veículos roubados fossem sucateados para manter viva a indústria do roubo de veículos.

Além da atuação como parlamentar, Dalton tem uma extensa folha de serviços prestados à população como jornalista e radialista. Ele já atuou na extinta rádio Eldorado (hoje RBN) com O crime não compensa; trabalhou na radio Caiari. Esteve por muito tempo em outras emissoras de TV, como Nacional, Candelária, Meridional e TV Norte. Trabalhou em jornais como O Guaporé, Alto Madeira, Estadão do Norte e Diário da Amazônia.

HONESTIDADE

Um dos maiores escândalos que abalou as estruturas da Assembleia Legislativa de Rondônia foi o das passagens. Deputados trocavam numa agencia de passagens, bilhetes de viagem, recebendo na hora 50% do valor. 23 deputados estavam envolvidos. Apenas um estava fora da lista: o de Dalton Di Franco, ele não participou do esquema investigado pelo Ministério Público.

“Eu aprendi com meu saudoso pai que a gente só deve ficar com o que é nosso”, lembra Dalton que se recusou a fazer parte do escândalo que lesou uma grande soma de dinheiro da Assembleia Legislativa.

Dalton disse que pretende fazer uma consulta popular para levantar as necessidades de Porto Velho. “Não quero fazer promessas mirabolantes. O que posso dizer é que quero trabalhar pela minha cidade, por Porto Velho”.

Nenhum comentário: